Dezembro Laranja, mês nacional de combate ao câncer de pele.

Com o fim do ano se aproximando, os dias passam a ser cada vez mais ensolarados e quentes. Por isso, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) pelo quarto ano consecutivo promove neste mês de dezembro a campanha Dezembro Laranja, a proposta é conscientizar a população sobre a necessidade do combate e prevenção do câncer de pele.

O câncer de pele é totalmente curável desde que você descubra bem no começo. A campanha reforça, portanto, a necessidade das chamadas atitudes fotoprotetoras de fácil execução no dia a dia do brasileiro.

A doença é dividida em dois grupos: o melanoma e o não melanoma. No primeiro, o tumor afeta os melanócitos, células responsáveis por produzir a melanina. Apesar de ter menor incidência (a estimativa do Inca é de 6.260 casos para este ano), este tipo de câncer é mais agressivo e, se não for tratado, pode provocar metástase. Já o não melanoma é menos agressivo e mais frequente.

Os homens são os mais afetados por este tipo de câncer justamente por causa da maior exposição ao sol sem proteção. Quanto mais branca a pessoa for, maior é o risco de desenvolver a doença.

— As peles são classificadas em seis fototipos, sendo 1 a branca e 6 a negra. Quem tem os fototipos 1 e 2 está mais propenso a ter câncer de pele. Além disso, quem tem histórico familiar ou pessoal de câncer de pele também tem mais risco — diz a dermatologista Christiane Gonzaga.

Por isso, ao notar qualquer pinta nova no corpo, a recomendação é procurar por um dermatologista ou um clínico geral.

— As pessoas devem ficar de olho nas manchas e pintas que já têm: se aumentaram de tamanho rapidamente, se as bordas ficaram irregulares e borradas, se mudaram de cor ou passaram a ter várias cores. Esses são os sintomas de câncer de pele — detalha Murilo Drummond, diretor da Clínica DrummonDermato.

Neste ano, o tema escolhido para a campanha foi “Se exponha mas não se queime”. Diversos pontos turísticos e monumentos em todo o país receberão iluminação especial com a cor da campanha em pontos centrais das cidades no intuito de reforçar que o câncer da pele pode ser prevenido. No Rio de Janeiro, o aquário, zoológico e escola de samba da Portela devem aderir às cores durante o funcionamento. Um papai noel também deve vestir a camisa da campanha para distribuir brindes e conscientizar crianças  na capital.
 
Dados do Instituto Nacional de Câncer estimam que no ano da pesquisa foram contabilizados cerca de 176 mil novos casos de câncer da pele não melanoma no Brasil. Os principais tipos de câncer registrados no país são os de pele não melanoma (para ambos os sexos), o de próstata e o de mama. Já a Organização Mundial da Saúde prevê que, no ano 2030, haverá no mundo 27 milhões de casos novos de câncer, com 17 milhões de mortes pela doença e 75 milhões de pessoas vivendo com câncer. O maior efeito desse aumento incidirá em países em desenvolvimento. No Brasil, o câncer já é a segunda causa de morte por doenças, atrás apenas das do aparelho circulatório.

Fonte: www.sbd.org.br